segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Uma história de Samhain para crianças






A noite estava muito escura, com uma lua cheia no cheio das nuvens. O ar estava fresco com a sensação de final de outono e a porta entre os mundos estava aberta. Abóboras esculpidas são colocadas nas casas da pequena cidade, e os risos das crianças em trajes típicos podiam ser ouvidos das ruas.

Mas foi um momento triste para Beth. Enquanto subia a colina atrás de sua casa. Em seus braços levava o seu gato Smokey, cuidadosamente embrulhado em seu favorito cobertor. Uma sepultura foi escavada na colina, esperando por Smokey.
Tinha morrido naquele dia.

"Você quer que eu vá com você?" Perguntou o pai a Beth..

"Eu cavei a sepultura do MacDougal no topo do morro. "
Beth lembrou quando seu MacDougal, seu cão tinha morrido depois de ser atingido por um carro.

"Não, eu irei sozinha", ela respondeu.

Beth parou no topo da colina e se ajoelhou ao lado da pequena sepultura.
Ela cuidadosamente colocou Smokey embrulhado na manta e o cobriu de terra, colocando várias pedras por cima. Então ela chorou, e chorou.

"Oh, Smokey, eu sinto tanto sua falta!"
Beth olhou para a Lua, as lágrimas escorriam pelo rosto. "Por que você teve que morrer?"

"Era a sua vez. Tinha que se juntar à mãe", disse uma voz profunda e suave.

"Quem disse isso?" Beth olhou ao redor, mas não viu ninguém.

"Morrer é parte do ciclo da vida, você sabe."

"Quem é você?" A luz da lua brilhava sobre a pequena mulher, e Beth podia ver que ela não era humana.

Eu sou uma mulher troll disse a criatura, e sentou-se em frente a Beth.
"Esta é uma noite triste para nós duas, menina, eu também vim para esta colina para enterrar um amigo."
A troll-mulher enxugou uma lágrima de cristal de sua bochecha.
"Era um esquilo era muito velho. Ainda assim, me deixa triste. "

Beth olhou para a troll. A pequena mulher era da cor de uma rocha ao luar, o cabelo com longos filamentos de musgo, os olhos brilhantes como brilham os cristais. Ela usava um vestido de tecido de folhas de carvalho e cascas de árvores.

"O esquilo e eu vivemos juntos por um longo tempo", disse a mulher troll.
"Nós muitas vezes falamos com o seu gato quando ele estava caçando aqui no morro.
Smokey e eu éramos amigos. Vou sentir falta dele, também."
A pequena mulher afagou a sepultura de Smokey gentilmente.
" Durma bem, amiguinho. Você está descansado, mas nos falaremos novamente. "

"Mas ele está morto", disse Beth, com a voz embargada pelas lágrimas.

"Criança, isto é Samhain. Não conhece os segredos antigos desta época do ano?
"Então a mulher troll fez sinal para Beth se sentar ao seu lado.
" É verdade que nossos amigos entraram em um mundo onde não podemos mais tocá-los, mas a Mãe deu-nos outras formas de nos comunicarmos com eles. Nós podemos fazer isso a qualquer momento, mas na época de Samhain é mais fácil. "

" Eu não entendo como isso pode ser feito, porque em Samhain é mais fácil? ", disse Beth.

"Nesta época do ano", respondeua mulher troll. "as paredes entre este mundo e o mundo das almas dos espíritos então muito finos. Se ficarmos tranquilos poderemos ouvir os nossos entes queridos e eles também poderão nos ouvir. Nós não falaremos com palavras, mas com o coração e a mente. "

"Não é só imaginação?" Beth olhou para a sepultura de Smokey, as lágrimas mais uma vez rolaram de seus olhos, disse ela:
"Em meu pensamento eu posso sentir MacDougal levantando-se da minha cama à noite como costumava fazer"

"Às vezes é, mas, geralmente, não é imaginação, os nossos amigos vem muitas vezes nos ver em seus corpos espirituais."
A mulher troll chegou até ela e deu um tapinha em seu ombro.
"Tal como o meu amigo, o corvo. Ele está aqui agora".

Beth olhou fixamente e viu uma forma fina de luar nebuloso no ombro da mulher troll.
"Tenho visto algo assim ao pé da minha cama onde MacDougal costumava dormir."
Ela sussurrou." Eu pensei que eu fosse sonho."
Ela deu um salto como se algo tivesse cutucado seu braço, mas quando ela olhou não havia nada.

A mulher troll sorriu.
"Feche os olhos e pense em MacDougal", disse ela.
"Ele tem esperado bastante para que você o veja".

Beth fechou os olhos e, ao mesmo tempo, a forma de seu cãozinho entrou em
sua mente. Sua cauda abanou com felicidade. Ela sentiu uma onda de amor vindo
dele, e ela enviou seu amor de volta. Então, ela sentiu o cão deitar em sua perna.

"Posso fazer isso com Smokey?" Beth perguntou.

"Ainda não", respondeu a mulher troll.
"Ele precisa de um tempo para dormir e descansar, mas logo ele virá até você. Dê um tempo a Smokey para se ajustar ao seu novo mundo, agora é a hora em que você se lamenta por sua perda. Não é errado se lamentar, mas nós não devemos nos lamentar para sempre ".

"Eu nunca pensei nisso dessa forma", disse Beth.
"É como se eles tivessem se afastado de nós e pudéssemos falar com eles ao telefone ".

"É desta forma, com todas as criaturas, não apenas animais".
A mulher troll se levantou e estendeu a mão para Beth.
"Você quer se juntar a mim, garota humana?
Embora eu tenha enterrado meu amigo esquilo esta noite, eu ainda devo dançar e
cantar para todos os meus amigos e antepassados ​​que passaram dessa jornada para
o outro mundo. Pois este é um momento para homenagear os antepassados ​​".

Beth se juntou a mulher troll dançando ao luar no topo da colina. Ela assistia em silêncio enquanto a mulher troll gritava palavras em quatro direções, palavras que Beth
não poderia entender. No fundo de seu coração a garota sentiu o poder dessas
palavras estranhas e sabia que elas foram ditas em honra e amor. Quando a mulher troll acabou com seu ritual, ela abraçou Beth.
"Vá em paz, criança humana ", disse ela.
"E lembre-se que eu disse a você sobre o antigo segredo de Samhain ".

"Eu vou", respondeu Beth. "Será que eu vou ver você de novo?"

"Sempre que a lua estiver cheia, eu vou estar aqui", e especialmente em Samhain".

"Eu gostaria de ter algo para lhe dar."
Beth abraçou a mulher por um tempo."
Você me ensinou muito."
Ela sentiu as lágrimas em seus olhos novamente.

"Deixe suas lágrimas para os nossos amigos que se foram."
A mulher troll com seu dedo áspero, pegou uma lágrima que caiu do olho de Beth. A lágrima brilhava em seu dedo. A mulher troll gentilmente tocou com seu dedo a lágrima no rosto de Beth que brilhou como um diamante à luz do luar. Ela tranformou a lágrima em um cristal, e deu a Beth.

"Lembre-se do segredo de Samhain, e lembre-se de mim", disse suavemente a mulher troll, e ela desapareceu na escuridão. Beth desceu a colina segurando o cristal. Seu pai estava esperando por ela na varanda.

"Você está bem?" perguntou seu pai e deu um abraço em Beth.

"Eu vou ficar" respondeu ela. Ela abriu a mão sob a luz da varanda e viu perfeitamente o cristal em forma de lágrima.

"Você encontrou alguma coisa?" o pai perguntou.

"Um troll de lágrimas", Beth respondeu, e seu pai sorriu. Ele também sabia
o pouco sobre mulheres trolls e o segredo do Samhain.

Autor Desconhecido

Um comentário:

  1. Olá ! Que bom partilhar esta História. Tenho também um blog voltado para ecologia e paganismo para pais e filho, se quiser tomar um xícara de chá conosco, apareça ! Um abraço, Liz

    ResponderExcluir